Skip to main content
iMusician logo

O compositor e pianista Federico Albanese mostra como a música clássica está mudando artisticamente em resposta ao mercado digital.

A bar chart
122.426 seguidores
A bar chart
24.401 ouvintes

Entrevista

1/ Qual você acha que é o melhor serviço de streaming para música clássica?

Difícil... Eu diria Tidal por causa da qualidade, já que você pode transmitir música sem perdas, então a qualidade do som é bastante alta. Spotify e Apple Music também são plataformas muito boas hoje em dia, não apenas para streaming, mas também para a promoção de seu material. No entanto, eu diria que a melhor maneira de desfrutar de um álbum clássico é em vinil. Não só por causa da própria mídia, mas também por causa do gesto de tirar um disco, colocá-lo no player e escutá-lo. Às vezes a transmissão pode ser um pouco superficial, pois tudo vai muito rápido e você pode facilmente pular e pular sem realmente se concentrar no conteúdo.

2/ Você acha que o streaming de música clássica é benéfica para os artistas e o público?


De um ponto de vista de mercado, é definitivamente benéfico. Em geral, é uma tecnologia que permite às pessoas descobrir um catálogo infinito de músicas a um preço muito razoável. E para o artista, eu diria que também é benéfico porque permite que sua música se espalhe ao redor do mundo com alguma facilidade.

3/ Como você diria que a maioria das pessoas escuta música clássica?


É difícil dizer. Acho que pessoas muito apaixonadas ainda preferem usar produtos físicos, seja LP ou CD. Mas em geral eu não saberia como dizer... Eu escuto pessoalmente através de ambos os sistemas, tenho uma coleção decente de discos, mas muitas vezes uso Tidal ou Spotify também. Além disso, é um fato que a produção musical também mudou. Se você pensar no desenvolvimento de alto-falantes bluetooth (SONOS por exemplo), por exemplo, que agora soam cada vez melhor e são facilmente conectados a telefones e laptops, então é claro que o streaming se torna o sistema principal.

4/ Você acha que a música clássica está mudando em um nível artístico devido ao mercado digital?


Em parte sim. O grande desenvolvimento e crescimento dos serviços de streaming é útil, por um lado, mas também superficial, por outro. As pessoas agora escutam música clássica/contemporânea principalmente para se concentrar, estudar e relaxar. Portanto, de certa forma, tornou-se uma música de fundo, algo que se toca quando se tem que fazer outra coisa. Você pode tocar um disco enquanto cozinha, conversa com amigos ou lê, mas a diferença é que você pode escolher a música que mais lhe convém para aquela ocasião em particular. Com o streaming, muitas vezes são outros que decidem por você, e você não controla completamente o que acontece a seguir. E no final você o aceita porque é legal e não precisa pensar nisso. Com um sistema como este, é óbvio que parte da música que você acaba transmitindo é muito superficial, não interessante, vem de outra coisa, "inventada" de certa forma. Há artistas e nomes que às vezes você vê que só existem lá, mas que não têm história ou passado.

5/ Como você cria um álbum? Você vai a um estúdio, ou você mesmo grava e o produz, ou ambos?

É uma combinação de ambos. Normalmente mantenho o processo de gravação muito aberto e espontâneo e o faço sozinho, com meus gravadores e pianos. Às vezes também enquanto estou viajando; se há um bom instrumento, levo algum tempo depois de uma verificação de som em uma boa sala e gravo algo. Eu também produzi a música. A hora do estúdio chega quando você começa a misturar. Acho que é uma parte essencial do processo que requer um ouvido externo, que pode ajudá-lo a ver as coisas de outra perspectiva, e deixar a música fluir melhor.

Ouça

Compartilhar artigo no
Siga este artista no
Newsletter iMusician

Fique por dentro das novidades

Fique em dia com as últimas notícias, dicas, macetes e informações sobre o mundo da música. Tudo o que você precisa para expandir seu cerreira musical direto no seu email.

Loading...