Skip to main content
iMusician logo
Todas as histórias de sucesso

The Gardener & The Tree

The Gardener & The Tree

The Gardener and the Tree compartilham suas melhores e piores lembranças no palco, como eles cresceram e as melhores dicas para artistas independentes como você.

A bar chart
19.000 ouvintes
A bar chart
1475 seguidores

Entrevista

1/ Diga-nos algo a seu respeito, como se conheceram?

Na verdade, somos apenas um bando de loucos, com um enorme amor pela música. Nós nos conhecemos na escola, na família e no caminho para nos tornarmos mais ambiciosos com a música.

Seu primeiro EP saiu há 3 anos, você acha que agora a música que você está fazendo é diferente, mais madura? Como você definiria evolução? Sem dúvida, quando produzimos nossa primeira EP 3 anos atrás, isso foi uma espécie de "versão de teste" do que queremos fazer. Portanto, demos um passo adiante, unimos esforços e escrevemos o próximo capítulo, para que você possa ver uma continuidade. É como uma escada que sobe: às vezes você dá alguns passos para cima e às vezes um passo para baixo; porque muito do que vai fazer a diferença é ter amadurecido e estar mais concentrado no caminho que achamos ser o certo para nós.

2/ Que conselho você daria a bandas indies?


O único conselho que podemos dar como banda é "faça o que você gosta e o que você faz bem". Quando você põe sua música lá fora pela primeira vez, você percebe as pessoas que gostam dela e isso será seu indicador. Você sempre pode voltar a isso e compará-lo com a música que você faz mais tarde. Se essas pessoas ainda gostarem, você saberá que está no caminho certo. E honestamente, não deixe que tudo isso foda com sua cabeça. Faça sua própria coisa, o que você ama.

3/ É sempre mais difícil ter lucro na música, especialmente quando você tem que dividir o dinheiro, como você está indo agora que assinou com uma grande gravadora?


Para nós não há realmente uma grande diferença entre lançar sua música através do iMusician, de uma gravadora indie ou de uma grande gravadora. A diferença está nas pessoas que estão por trás disso. É tudo sobre eles puxando os cordelinhos, conseguindo mais shows, melhores negócios... No final do dia você ainda tem que dividir o dinheiro como fazia antes, se houver a possibilidade de dividir o dinheiro, porque ele é sempre necessário para novos equipamentos, hotéis, gás e outras coisas. O dinheiro não deve ser a primeira prioridade, não se pode começar a fazer demasiadas contas sobre ele. Ame o que você faz, sonhe grande, mas sempre tenha certeza de ser quem você é. No final é a sua vida, é a sua música e é tudo o que você tem.

4/ Neste momento você está em turnê, qual é a sua melhor e pior memória como banda até agora?


Estar em turnê para nós está principalmente ligado à comida (risos). As melhores lembranças que temos são aqueles shows em que você foi servido com uma comida fantástica e conheceu grandes pessoas. Quando você se sente como uma superestrela, você se diverte com o grupo e com a equipe - essas são as boas noites. Você está cheio de energia após o concerto, então você tem que sair e se divertir. Quando o som no palco e o público é ótimo, as pessoas enlouquecem e você também, é como uma explosão! A melhor lembrança, por enquanto, é quando recentemente tocamos um show da casa cheia em 'Mascotte' (Zurique) e saímos para tomar um pouco de ar fresco e fumar um cigarro. Viramos a esquina da entrada dos bastidores e vimos uma multidão enorme, todas as pessoas que nos amavam e queriam se divertir conosco. Ficamos totalmente deslumbrados. 500 pessoas faziam fila para entrar e nos ver, então ficamos muito nervosos e não sabíamos o que ia acontecer conosco. Acabou sendo uma noite realmente louca!

A pior lembrança:
Tocamos um concerto em um festival e, pouco antes do início do concerto, percebemos que tínhamos deixado nossos teclados na sala de ensaios. Foi como "m**rda, isto é f*dido, não podemos brincar assim". Por sorte, houve uma grande tempestade, então o show foi adiado e pudemos dirigir - muito além do limite de velocidade - na chuva e voltar para a sala de ensaios para recuperar o teclado. Quase quando chegamos ao festival, havia uma árvore na estrada e ficamos presos novamente - que história assustadora! Enquanto isso, não havia eletricidade no festival, então tivemos mais algum tempo; ninguém sabia que não estávamos lá. Após algumas horas, a árvore foi retirada da estrada e pudemos dirigir até o local do festival e acabamos tocando na pequena área do bar, ao invés do palco principal. Uma memória que jamais esqueceremos. Graças a Deus pela tempestade, quase arruinamos o show, mas ninguém notou.

perenidade que vem no seu caminho.

Escute

Compartilhar artigo no
Siga este artista no
Newsletter iMusician

Fique por dentro das novidades

Fique em dia com as últimas notícias, dicas, macetes e informações sobre o mundo da música. Tudo o que você precisa para expandir seu cerreira musical direto no seu email.

Loading...