Skip to main content

Experimente as Artist Pages GRATUITAMENTE agora! 💅

Obtenha aqui
iMusician logo
Todos os artigos do blog

(Gay, queer, femmes) como trabalhar em um coletivo musical pode ser benéfico para sua carreira

Compartilhar artigo no
Turntable DJ com Cerveja

Você é um artista em ascensão? Ganhar exposição e avançar na indústria da música pode ser difícil quando você não sabe por onde começar. Embora ter uma visibilidade online, como a fornecida pelas mídias sociais, seja o núcleo do seu PR, as opções são amplas e podem se tornar facilmente esmagadoras. Antes de assinar um contrato com uma gravadora, você pode querer divulgar seu trabalho na comunidade, especialmente se você já faz parte de uma comunidade queer ou LGBT.

Atualmente, trabalhar em um coletivo de música é a forma mais comum de jovens artistas ganharem experiência e visibilidade. Em 2015, Thump relatou em uma peça que coletivos de artistas estão assumindo a música eletrônica. Para Crack, “os coletivos estão construindo um futuro melhor para a dance music”. Tudo isso parece empoderador, então pensamos em destacar o trabalho de alguns coletivos musicais de Berlim, Londres, Paris e Lausanne para descobrir como eles estão apoiando os artistas.

Os coletivos podem ser principalmente meios de compartilhamento de conhecimento entre músicos, para treinar e se divertir! Mas para alguns artistas prejudicados pela hegemonia social da indústria da música em primeiro lugar, eles também são um meio de acesso ao material. Em 2016, a revista de referência online de música eletrônica Resident Advisor decidiu não mais publicar sua lista anual dos 100 melhores DJs. A esmagadora falta de diversidade na lista empurrou os editores para esta resolução de acordo com um comunicado. Assim, os tempos estão mudando, mas as mulheres e os grupos minoritários ainda são amplamente sub-representados na mídia e ainda enfrentam preconceitos antigos. "Nada mal para uma mulher...", é o tipo de comentário, entre tantos, que ainda faz parte do cotidiano de muitas artistas mulheres.

Ramdam, diversão primeiro

Ramdam é um coletivo sediado em Paris que trabalha com artistas visuais e músicos no contexto de Paris. De acordo com o manifesto do coletivo, o Ramdam “nasce de uma necessidade comum, a de vincular diferentes meios sob uma base coletiva”. Para a fotógrafa e cenógrafa do coletivo Eva Van Der Horst, o Ramdam é essencialmente uma forma de seus membros se inspirarem: "éramos apenas um grupo de amigos tentando encontrar um espaço para mostrar nosso trabalho, mas acima de tudo para compartilhar algumas diversão juntos! Não se esqueça de passar tempo com seus amigos e capacitar uns aos outros, seria o meu conselho".

No Shade, de Linnea Pamestal, pretende ajudar mulheres, transgêneros, queers e pessoas não-binárias a conseguir seu pedaço do bolo. Seu coletivo com sede em Berlim fornece equipamentos e espaços onde seus membros podem praticar suas habilidades de DJ e, eventualmente, receber aulas gratuitas com a ajuda dos tutores coletivos. Criado em 2017, o No Shade beneficia de fundos públicos e atualmente trabalha com quinze artistas. Sem mencionar suas festas no icônico clube berlinense Acud Macht Neu, onde toda a vanguarda local corre para noites ousadas de sons de clubes ferozes.

Pxssy Palace, destaque para transgêneros

Em Londres, Nadine Artois lidera uma série de eventos seguindo a iniciativa da No Shade. Dedicadas à cultura hip-hop e às mulheres negras, as festas do Pxssy Palace, que acontecem no leste de Londres, estão sendo arrecadadas para ajudar transgêneros a pegar um táxi no final da noite. Um mimo chique? Não exatamente, de acordo com uma pesquisa recente publicada pela Charity Stonewell e um artigo recente do The Independent, o Reino Unido está enfrentando um enorme aumento da violência contra pessoas transgênero de cor. Esses números não são nada para tranquilizar os notívagos, mas esperamos que o Pxssy Palace esteja criando um espaço seguro para os mais vulneráveis.

Où Êtes-vous toutes ? Pegue a cidade

Em Lausanne, Où Êtes-vous toutes ? está reunindo a próxima geração de promotores de festas da cidade. Autodescrito como "um convite para criar espaços de liberdade e cultura fora das estruturas comuns", seus membros misturam world, techno e vários outros gêneros musicais em festas muitas vezes co-organizadas com outros coletivos. Seu objetivo de reabilitar o passado industrial de Lausanne está gravado na ação cívica e, acima de tudo, seus eventos são inclusivos para todos.

Os coletivos musicais geralmente refletem a ideologia de uma comunidade e precisam existir dentro do cenário social homogêneo da indústria da música. Se você está lutando para fazer isso por conta própria, fazer parte de um coletivo de música não significa que vai te levar ao Grammy. Mas se fazer música é se divertir, os coletivos sempre estarão lá como um lembrete.

Compartilhar artigo no
Newsletter iMusician

Tudo que você precisa.
Tudo em um só lugar.

Receba dicas sobre como ter sucesso como artista, receba descontos para distribuição de música e as últimas notícias da iMusician diretamente na sua caixa de entrada! Tudo que você precisa para crescer sua carreira musical.

Loading...