Skip to main content

Nossos NOVOS planos de assinatura chegaram 🌟

Saiba mais
iMusician logo
Todos os guias

Música eletrônica e saúde mental

  • Martina
  • 18 agosto 2022, quinta-feira
Compartilhe este guia no
Mental-health-in-EDM

O tema da saúde mental ganhou importância nos últimos anos, mas permanece relativamente estigmatizado em nossa sociedade. É importante saber que a saúde mental de absolutamente qualquer pessoa pode ser afetada, independentemente de sua ocupação ou área de especialização, incluindo na indústria da música. Em 2019, um estudo feito pela Universidade de Westminster e MusicTank mostrou que 68,5% dos 2.211 participantes disseram ter sofrido de depressão, enquanto até 71,1% compartilharam que experimentaram ansiedade grave ou ataque de pânico. Isso realmente sugere que os músicos são 3 vezes mais propensos a sofrer de depressão e ansiedade do que o público médio.

Neste artigo, vamos mergulhar no bem-estar mental de artistas de música eletrônica, as estatísticas relevantes e ferramentas importantes que podem auxiliar os músicos a cuidar de sua saúde mental no dia a dia.

Aviso de gatilho: Este artigo menciona problemas mentais graves, incluindo depressão, ansiedade, dependência de álcool e dependência de substâncias. Se você está lutando com sua saúde mental e precisa de ajuda profissional imediata, vá para 90035191 Helpline, ou 55 11 31514109 hotline.

Conscientização da saúde mental dos músicos no Reino Unido e nos EUA

Os EUA e o Reino Unido dominaram uma porcentagem importante do mercado internacional de música eletrônica e, em ambos os países, as instituições mostraram iniciativas para aumentar a conscientização sobre a saúde mental e apoiar e capacitar indivíduos em toda a indústria. O tópico das lutas e dificuldades da saúde mental é uma parte importante da discussão em todo o setor há muitos anos. No entanto, sua relevância tornou-se ainda mais enfatizada após o início da pandemia de Covid-19 que observou um grande aumento de ansiedade e depressão, além das taxas de suicídio.

O Reino Unido

No Reino Unido, em 2019, a Association For Electronic Music (AFEM), em cooperação com o Music Managers Forum, Help Musician UK e Music Support, lançou um guia de saúde mental para pessoas que trabalham na indústria com o objetivo de educar e fornecer mais apoio. Embora a AFEM seja uma organização internacional que representa a voz global da indústria da música eletrônica, a Help Musicians UK e a Music Support são instituições de caridade sediadas no Reino Unido com foco em problemas de saúde mental na indústria da música.

Abrangendo as principais lutas de saúde mental, nomeadamente ansiedade, depressão, privação de sono ou abuso de álcool e substâncias, o guia também contém contatos-chave, em todos os 25 países onde a AFEM tem membros ativos, para quem necessita de ajuda ou em caso de emergência. O ano de lançamento do guia foi bastante significativo para a conscientização da saúde mental na indústria da música e no campo da música eletrônica, recebendo grande atenção em várias conferências e eventos relacionados à música, como Brighton Music Conference, International Music Summit em Ibiza (IMS), ILMC, Paris Electronic Week, Amsterdam Dance Event, etc. O IMS em Ibiza recebeu muitos palestrantes convidados sobre o tema da saúde mental, incluindo o pai do falecido DJ e produtor sueco de EDM, Avicii, que morreu de suicídio em 2018.

Em 2020, uma organização de caridade, a Mind, organizou uma campanha e lançou um guia de saúde mental visando organizações e indivíduos em posições de liderança na indústria da música eletrônica. Dirigido pelo ator e comediante inglês Stephen Fry, Mind, acima de outros, explica as pressões mais relevantes da indústria, compartilha as estatísticas sobre os impactos da pandemia na saúde mental e promove ferramentas de como as organizações podem ajudar a cuidar dos músicos bem-estar mental.

Os Estados Unidos

Nos EUA, a loja online de música eletrônica Beatport tomou uma grande iniciativa para aumentar a conscientização sobre saúde mental na indústria da música eletrônica ao lançar uma parceria única, Music Connects US, com a AFEM, Silentmode, How Mental, Tom Middleton, e Arigami. A Music Connects Us realizou um estudo abrangente entre 140 artistas de música eletrônica e dance, para mais uma vez desestigmatizar o assunto e compartilhar histórias valiosas de músicos que lidam com problemas de saúde mental, principalmente depressão. Alguns dos principais participantes incluem Kaskade, Junior Sanchez, Yousef, Sarah Story, Scuba, Ben Rau e Louisahhh.

Mais do que isso, porém, a cooperação abrange os temas pouco comentados da música de bem-estar e música funcional (ou 'música com propósito'), com o objetivo de promover os benefícios e o poder curativo da música no combate a problemas de saúde mental . A organização apoia principalmente a ideia de que a música, que tem um impacto biologicamente comprovado em nossa mente, corpo e comportamento, pode ser um importante elemento de cura e apoiar a inteligência emocional individual.

Entendendo os desafios da indústria da música eletrônica

Embora trabalhar na indústria da música eletrônica possa ser realmente gratificante e oferecer muitos benefícios e oportunidades, também traz muitos desafios, pressões e encargos únicos que provavelmente influenciarão negativamente a saúde mental e emocional de um músico.

1. Trabalhar muito tarde e longas horas

As madrugadas são características de praticamente todos os gêneros de música eletrônica e cultura de dança. Eventos de música eletrônica, festivais e noites movimentadas de clubes geralmente começam e terminam tarde e horários de trabalho agitados com prazos apertados exigindo que os músicos trabalhem longas horas também são muito típicos do campo da música eletrônica.

É provável que tal 'regime' contribua para sentimentos de isolamento e solidão, levando a mais estresse, causando exaustão física e mental e privação de sono, impactando negativamente o equilíbrio trabalho/vida até o ponto em que o músico não tem equilíbrio algum. Artistas independentes de música eletrônica também são mais suscetíveis a esse tipo de cenário se trabalharem principalmente sozinhos, sem ter ninguém para checá-los.

O que pode ajudar: se as circunstâncias permitirem, tente criar um horário de trabalho diário eficaz com condições de trabalho definidas com precisão. Seja muito claro sobre quando você começará e terminará o trabalho, organize as tarefas diárias relevantes, preste atenção aos intervalos regulares e tente incluir o movimento físico no plano (mesmo que seja apenas levantar e se mexer um pouco durante o intervalo). Se shows e eventos estão chegando, crie uma programação para esses dias também! Formar limites claros entre sua vida profissional e pessoal pode ajudar a reduzir o estresse geral e estabelecer um relacionamento mais saudável com o trabalho que você faz (o que, no caso da música, é provavelmente sua paixão também).

2. Viagens frequentes

Em nosso artigo sobre festivais de música eletrônica para músicos independentes, mencionamos e falamos “apenas” sobre os melhores exemplos de festivais que acontecem anualmente em todo o mundo. No total, existem centenas, grandes ou pequenos, festivais de música eletrônica organizados todos os anos em vários países ao redor do globo. Isso significa que ser um artista de música eletrônica provavelmente inclui muitas viagens frequentes. Essas viagens para festivais, ou geralmente turnês, tendem a ser extremamente isolantes, com os músicos provavelmente performando (muitas vezes sozinhos) por horas, se apresentando e depois voltando para quartos de hotel vazios.

O que pode ajudar: socializar refere-se a uma necessidade humana natural de conversar e estar perto de pessoas. Portanto, é importante fazer um esforço especial para se manter conectado e, assim, manter uma vida social saudável, mesmo estando longe de seus sistemas e redes de apoio. Tente continuar conhecendo fisicamente as pessoas quando estiver viajando para shows. Se você está em turnê e é difícil ver seus amigos e familiares, não hesite em 'encontrá-los' online - especialmente hoje em dia, existem muitos programas e aplicativos que permitem chamadas de vídeo online, como Skype, Zoom, WhatsApp , e muitos outros.

3. Crítica tóxica

A crítica construtiva é parte essencial de qualquer tipo de carreira, permitindo que o indivíduo se aprimore e faça os progressos necessários. No entanto, hoje em dia, as redes sociais permitem que qualquer pessoa expresse livremente seus pontos de vista e opiniões a qualquer momento, muitas vezes transformando feedback em críticas negativas tóxicas ou até mesmo bullying. O abuso online pode ser extremamente prejudicial à saúde mental de qualquer músico, muitas vezes provocando frustração e depressão. Pode-se até tornar-se cético em relação à sua própria carreira artística e optar por abandonar a música.

O que pode ajudar: pode ser mais fácil falar do que fazer, mas focar no feedback positivo e na crítica construtiva daqueles que importam é fundamental. Também é importante lembrar-se e ser lembrado de sua qualidade como músico e das conquistas que obteve. Enfrentar feedback negativo pode ser duro e chocante, mas é importante aceitar que algumas pessoas podem não gostar de você por qualquer motivo que tenham (às vezes, elas nem têm um motivo). Lembre-se de que ficar escondido atrás de telas de computador e trollar na internet é muito mais fácil do que colocar você e sua música no mundo, então sempre tente celebrar sua coragem e determinação.

4. Alta competição

A indústria da música eletrônica está altamente saturada e, portanto, pode se sentir excessivamente competitiva. Embora especialmente comum nas indústrias criativas, a rejeição é algo que tende a derrubá-lo, fazendo com que você se sinta constrangido e inseguro sobre suas capacidades como músico. A longo prazo, isso também pode ter um efeito negativo na sua saúde mental.

O que pode ajudar: aceitar que nem tudo precisa dar certo é definitivamente uma boa abordagem para começar. O que você também pode fazer é pedir educadamente feedback daqueles que o rejeitaram, seja um produtor de EDM ou um organizador de eventos. Esse feedback pode ajudá-lo a fazer algumas melhorias ou alterações em áreas específicas, oferecendo mais oportunidades potenciais no futuro.

5. Trabalho inseguro e instável

Algo que também pode estar ligado à alta competição é a falta de segurança e estabilidade na carreira, principalmente para artistas independentes que trabalham como freelancers. Além da competição, também pode haver tendências em constante mudança que podem fazer com que um determinado estilo, gênero ou cultura, incluindo música eletrônica e cultura de dança, seja deixado para trás. A insegurança no emprego e a falta de oportunidades profissionais podem ser extremamente difíceis de enfrentar, especialmente se causarem problemas financeiros e preocupações. Lutar para ganhar a vida como músico sempre prejudicará sua saúde mental.

O que pode ajudar: se você trabalha como freelancer, ter uma compreensão clara dos processos e aprender habilidades fora da criação musical, como marketing, habilidades administrativas ou financeiras, pode ajudá-lo a coordenar seu trabalho como músico e planejar melhor o futuro. Além disso, aprimorar suas habilidades especializadas em negócios pode fornecer oportunidades em diferentes áreas que podem se tornar fontes financeiras adicionais para você e sua carreira musical.

6. Abuso de álcool e drogas

O uso e abuso de álcool e substâncias é um tópico amplo e importante por si só, tendo a capacidade de prejudicar seriamente a saúde mental e física de alguém e levar à dependência, vício e outros problemas médicos. Artistas da indústria da música eletrônica são particularmente suscetíveis ao uso de álcool e drogas, pois esses dois são há décadas elementos significativos das culturas de dança e festa (também cultura rave), tornando-os mais disponíveis e acessíveis. Com o álcool e as drogas sendo geralmente aceitos no ambiente de ‘trabalho’ musical, é ainda mais fácil para artistas de música eletrônica ‘consumirem’ eles regularmente, considerando-os como uma parte usual do ‘negócio’.

Tanto o álcool quanto as drogas também são comumente usados ​​para combater o medo do palco ou ajudar os músicos a se dissociarem de sentimentos e dores negativos, como estresse, frustração, tédio ou até mesmo privação de sono. Além disso, é provável que sejam usados ​​como automedicação para ansiedade, depressão e outros distúrbios neuropsicológicos da saúde mental.

O que pode ajudar: se você sentir que está gostando de beber durante suas apresentações mais do que o habitual ou durante muitas noites seguidas, tente tirar algum tempo para se sentir melhor, tanto mental quanto fisicamente. No entanto, se a qualquer momento você perceber que seu uso de álcool (e drogas) está se tornando um problema, não hesite em procurar ajuda profissional imediatamente!

Cuidando da sua própria saúde mental

Independentemente de você estar lutando com problemas de saúde mental ou não, cuidar de sua saúde mental diariamente é essencial para manter uma mente e um corpo saudáveis ​​a longo prazo. Nesse sentido, se você estiver enfrentando alguns problemas de saúde mental, procure um profissional de saúde em qualquer caso! Aqui, apresentamos algumas ferramentas que podem ajudá-lo a cuidar do seu bem-estar mental.

1. Esteja ciente e entenda seus gatilhos

Embora existam fatores que geralmente tendem a ter um impacto negativo em sua saúde mental, todos podem achar coisas diferentes mais ou menos desencadeantes para eles. Saber o que causa sofrimento à sua mente e corpo, fazendo você se sentir estressado, ansioso e sobrecarregado, pode ajudá-lo a encontrar maneiras de evitar e gerenciar efetivamente seus gatilhos.

A autoconsciência geralmente é benéfica ao procurar coisas que o desencadeiam ou, por outro lado, fazem você se sentir bem. Atividades como leitura, diário (ou qualquer tipo de escrita criativa e expressiva) ou aconselhamento e terapia podem ajudá-lo a ter mais consciência de si mesmo.

2. Aptidão mental

Algo que está intimamente relacionado à autoconsciência é a aptidão mental que se refere ao processo de exercitar (diariamente) sua mente e desenvolver habilidades e práticas que o ajudarão a melhorar e manter um estado ideal e estável de bem-estar. Em outras palavras, por meio de vários exercícios, a aptidão mental deve ter como objetivo torná-lo mentalmente mais forte, ao mesmo tempo em que se torna consciente de como você pensa, sente e se comporta. Como resultado, é mais provável que você responda melhor aos seus gatilhos ou administre situações desafiadoras e desconfortáveis, sendo menos propenso a problemas de saúde mental ou danos emocionais. É como ir à academia, mas exercitar seu cérebro em vez de glúteos, quadríceps, braços ou costas.

Embora a aptidão mental não esteja aqui para ajudá-lo a lidar e curar problemas sérios de saúde mental, ela pode melhorar sua saúde mental a longo prazo e torná-la mais forte. É algo que você pode fazer diariamente (mesmo que sejam apenas 15 minutos por dia) por meio de uma variedade de exercícios cerebrais, como jogos, quebra-cabeças ou aplicativos de treinamento cerebral, disponíveis em computadores e telefones. Além disso, exercitar a atenção plena e aprender a meditar, por mais estranho que possa parecer, é considerado uma das formas mais importantes de praticar a aptidão mental.

Você pode conferir o site e as redes sociais da Wondermind, uma empresa de condicionamento mental, co-fundada pela atriz e cantora Selena Gomez, que fornece dicas e orientações aprovadas por especialistas, por meio de conteúdo principalmente divertido, sobre como melhorar sua bem-estar mental regularmente.

3. Faça um movimento físico

A aptidão mental anda de mãos dadas com a aptidão física. Ser um artista de música eletrônica muitas vezes pode significar que você passa muito tempo na frente do computador, escrevendo, gravando, mixando e masterizando sua música. Incluir exercícios físicos em sua rotina diária, mesmo que seja “apenas” sair para passear, pode ajudá-lo a se sentir melhor e mais conectado ao seu ambiente e melhorar seu humor.

4. Música funcional e música como condicionamento físico

A música funcional é algo que mencionamos anteriormente e se refere a um tipo de música que tem um propósito mais especial e particular. Apoia a ideia de que a própria música pode funcionar como um elemento de cura com impactos positivos na sua saúde mental. Isso porque a música está ligada à liberação de emoções e é conhecida como facilitadora da transformação do humor e reguladora do humor. De um modo geral, o som é conhecido por ser o único sentido que pode envolver totalmente todas as partes do cérebro.

A música é, portanto, considerada uma ferramenta poderosa e fácil que pode ter um impacto valioso na saúde mental e é até uma forma eficaz de terapia que pode estimular sua mente, motivá-lo e movê-lo. A música também oferece benefícios positivos para o alívio do estresse e a saúde geral, melhorando sua respiração e criando outras mudanças que provocam estresse. Portanto, é especialmente recomendado combinar tocar e ouvir música com meditação e respiração, útil principalmente contra a ansiedade.

As gravadoras e seu papel no apoio à saúde mental dos músicos

Falamos sobre maneiras e ferramentas que os músicos podem implementar para cuidar e melhorar sua saúde mental. No entanto, selos independentes e particularmente gerentes e outros indivíduos em posições de liderança podem tomar medidas para aumentar a conscientização e apoiar o bem-estar mental de seus músicos e outros funcionários em toda a organização.

Em primeiro lugar, os líderes seniores e gerentes de artistas devem dar exemplos de hábitos de trabalho mais saudáveis, enfatizar a importância de fazer pausas regulares e relaxar e incentivar os músicos a estabelecer limites quando se trata de seu trabalho. Em segundo lugar, o que eles podem fazer é apoiar sua conexão com seus amigos e entes queridos quando viajam, incentivando-os a reservar algum tempo para uma reunião ou videochamada online. Mais importante, no entanto, em caso de emergências de saúde mental, os gestores devem enfatizar a relevância de procurar serviços de saúde profissional ou de organizações especializadas (por exemplo, em caso de dependência de substâncias ou dependência de álcool).

Embora a saúde mental (assim como a saúde física) de músicos e funcionários em toda a indústria de música eletrônica exceda a importância de ganhar dinheiro e ser lucrativo, é algo que pode realmente influenciar fortemente a lucratividade de negócios relevantes para o setor. Apenas no Reino Unido, a saúde mental precária custa aos empregadores em geral até £ 45 bilhões por ano.

Como a AFEM defende, assim como existem funcionários treinados em primeiros socorros em saúde física, cada empresa da indústria da música eletrônica também deve ter pelo menos uma equipe treinada em primeiros socorros em saúde mental que ajude ainda mais a desestigmatizar o assunto e fornecer suporte e ajuda quando necessário.

Conclusão

Cuidar de sua saúde mental é tão importante quanto cuidar de sua saúde física e não deve haver estigma ou vergonha sobre isso. Se você está lutando com sua saúde mental ou procurando melhorá-la, confira os guias de saúde mental do Beatport, AFEM e Mind. Se você estiver passando por uma grave emergência de saúde mental, não hesite em ligar para 90035191, ou entre em contato com 55 11 31514109 Helpline.

Compartilhe este guia no
Newsletter iMusician

Tudo que você precisa.
Tudo em um só lugar.

Receba dicas sobre como ter sucesso como artista, receba descontos para distribuição de música e as últimas notícias da iMusician diretamente na sua caixa de entrada! Tudo que você precisa para crescer sua carreira musical.

Loading...